Por Sandro Baggio

Quando fui incumbido de reunir uma pequena equipe da missão Steiger Brasil/Come&Live! Brasil, para ajudar Brian Welch a ministrar para os fãs no show da banda Korn, fiquei animado. Isso era algo que eu tinha mencionado a um amigo do Brian no ano passado, ao ouvir que sua banda viria ao Brasil.

Apesar de nunca ter sido grande fã de Korn, fiquei interessado pela banda quando, em 2007, li a autobiografia “Save Me From Myself”, do guitarrista Brian ‘Head’ Welch. No livro, Brian conta a história do garoto californiano que alcançou o sonho de tornar-se um astro musical ao ajudar a formar uma banda de rock que ficaria mundialmente famosa. No entanto, sem uma estrutura interior, Brian se viu afundando nas drogas justamente quando estava no auge de sua carreira. À beira do abismo, percebeu que, se quisesse continuar vivo, precisava parar com tudo. E fez isso quando teve um encontro com a pessoa e o poder de Jesus Cristo. Durante oito anos, Brian se distanciou da banda que ele havia ajudado conduzir à fama, a fim de buscar a vontade de Deus para sua vida. Até que Deus o reconduziu de volta a Korn, como uma nova criatura e uma nova missão: ser uma testemunha do poder transformador do Evangelho.

Moah (do C&L! BR), Hudson (do Alegórica – artista C&L!) e eu tivemos a oportunidade de ajudar o Brian em sua missão no show da banda em São Paulo. Chegamos no local conforme previamente combinado e fomos muito bem recebidos pelo Brian. De repente, estávamos no camarim de uma das maiores bandas de rock do mundo. Brian deu-nos as diretrizes de como deveríamos convidar pessoas para conhecê-lo e tirar fotos com ele após o show. “Olhe bem nos olhos delas”, disse-nos. “Peça a Deus para dirigir vocês para as pessoas certas”. Enquanto ele nos dizia isso, não pude deixar de notar o menino sentado no sofá próximo de nós – substituto da banda naquela noite, Tye Trujillo, baixista de 12 anos cujo pai (também presente nos bastidores) toca na mais famosa banda de rock pesado do mundo: Metallica.

Após o show, uma vez reunidas as pessoas convidadas, Brian veio encontrar-se com elas. Com uma tremenda leveza, compartilhou brevemente sobre sua carreira de sucesso, o pesadelo das drogas e sua nova vida com Cristo. Após ler um texto das Escrituras, ofereceu-se a orar por todos, pedindo para que Jesus se revele a cada coração aberto para crer. Depois passou a tirar fotos com todos os fãs. Todos estavam interessados em ouvir mais sobre a fé que transformou a vida desse artista. Pequenas rodas de oração se formaram, em meio a abraços e lágrimas. “O que é isso?”, perguntou-me uma mulher. “Vim aqui pensando que só iria tirar fotos com ele e, de repente, fui inundada por uma energia incrível! O que é isso?”

Outra garota veio junto com seu namorado agradecer-me por ter-lhes dado o convite. Desculpando-se por ter chorado tanto ao ouvir o testemunho de Brian, ela contou como se tornara fã de Korn há muitos anos e agora havia recebido uma mensagem de vida nova do próprio guitarrista da banda. “Obrigado por me escolher no meio da multidão”, disse ela. Eu apontei para o céu e disse: “Foi Ele quem te escolheu”.

Passava da meia-noite quando nos despedimos do Brian e deixamos o local (ele foi o último da banda a ir embora). A sensação era que havíamos testemunhado algo extraordinário. A abertura dos fãs para ouvir e receber a mensagem clara do Evangelho compartilhada por Brian foi surpreendente. O impressionante foi presenciar o poder de influência que um astro musical tem – e que pode ser usado para o bem ou para o mal. Brian escolheu usar esta influência para comunicar a mensagem do Evangelho que mudou sua vida, nas esperança que ela possa mudar a vida de muitos de seus fãs. O modo como ele faz isso com um coração humilde e amoroso revela Cristo em sua vida e glorifica a Deus.